Compartilhe!

De tempos em tempos, novos modelos de negócio surgem no mundo. Os empreendedores se arriscam e correm atrás de novas oportunidades o tempo todo. Hoje em dia não é mais incomum ver casos de jovens saindo de empresas tradicionais ou mesmo pessoas já com uma carreira consolidada irem prosperar em startups. Mas o que é de fato uma startup e qual a diferença dela para uma empresa tradicional?

A princípio, ambas podem parecer iguais, porém há muitas diferenças. A começar por um conceito simples: uma startup almeja uma solução rápida frente a seus problemas.

Empresa tradicional X Startup

Startup é um termo que surgiu por volta dos anos 90, nos Estados Unidos, porém hoje, muitas pessoas ainda confundem os seus ideais. Veja abaixo o que de fato caracteriza uma startup:

  • inovador: empresa não convencional focada em evoluir rapidamente propondo novas ideias como solução aos problemas (alguma “dor” específica do mercado);
  • disruptível: que cria algo novo, saindo do tradicional;
  • escalável: produz e entrega em grande escala e retorno rápido;
  • repetível: facilmente multiplicado em escala para vários clientes (como um aplicativo, por exemplo);
  • incerto: mercado pouco explorado, porém, oferece riscos.

Ou seja, ter uma startup significa ter um negócio de risco, num território pouco ou não explorado com uma solução inovadora. É trabalhar com um cenário incerto onde a todo momento podem ser exigidas mudanças rápidas de estratégias a novos cenários.

Já com as empresas tradicionais é o contrário. Elas não apresentam um crescimento escalável e nem estão preparadas para incertezas e riscos do mercado. Elas esperam atuar em um mercado sólido e disputam com empresas que atuam no mesmo ramo. A inovação é substituída pelo tradicionalismo. Elas buscam:

  • atuar em mercados consolidados com soluções já conhecidas;
  • oferecer produtos ou serviços para um público-alvo já existente;
  • produzir uma demanda que já é atendida.

Quais as reais diferenças entre um modelo e outro?

1. Estrutura de negócio

Empresas já consolidadas no mercado possuem um fluxo de operação estruturado e direcionado em seus processos. O maior problema que podem enfrentar é a dificuldade com mudanças num cenário negativo ou de crise. Essas empresas demandam uma maior dedicação, planejamento financeiro rigoroso e estrutura hierárquica bem definida para os profissionais e suas funções e tem como resultado um crescimento mais lento.

Já uma startup tem foco em oportunidades ou no que o mercado precisa. Toda a equipe está preparada para eventuais riscos no negócio e por isso, é esperado o surgimento de problemas que exigem soluções rápidas.

2. Espírito organizacional

As startups são empresas que nascem projetadas para escalar e crescer diante de uma oportunidade, tendência ou solução de um problema no mercado. Ter um bom planejamento financeiro, tributário e trabalhista é de suma importância, pois nunca é certeza de quando receberá um investimento.

Numa empresa tradicional, os sócios costumam projetar o seu negócio para sobreviver e preferem mantê-lo pequeno, porém controlável. Essa é uma maneira de se manter sustentável, ter a garantia de ter e cumprir demandas e gerar um bom retorno constante.

A ideia de empresa tradicional ainda é focada em estar na zona de conforto, seja por muitos mercados já estarem consolidados, ou que o próprio empreendedor não se sente seguro para lidar com novas formas de negócio.

Empresas com potencial inovador que trabalham num ambiente de incertezas devem ser muito bem planejadas para crescerem em sua receita, ao mesmo tempo que precisam ter baixo custo sem que isso afete seu modelo de negócio.

As startups transformam seus colaboradores para que todos participem do crescimento da empresa, até por que o desempenho de cada um é importante para seu crescimento, então é comum uma pessoa desempenhar mais de uma função.

No caso de empresas tradicionais os funcionários têm suas funções já bem definidas e, diante disto, fazem as suas contribuições para a melhoria dos processos e desempenho. A regra é partir do pressuposto que já existe um mercado consagrado com uma solução já existente.

3. Ambiente organizacional

Tendo em vista que a maior característica de uma startup é a incerteza do negócio, é difícil encontrar treinamentos e capacitações desse tipo de empreendimento já que a empresa ainda está moldando sua estrutura de operação junto a equipe.

As pessoas que trabalham numa startup tem o perfil de “arregaçar as mangas“. Estão prontas para apagar incêndios e lidam com os problemas que surgem que demandam uma solução rápida.

Em empresas tradicionais, toda a operação é bem consolidada. Com tudo programado e planejado, os funcionários tem funções definidas, o que reduz bastante o risco de incertezas. Se um problema aparece, é necessário um novo planejamento e projeção de ações para ajudar a resolvê-lo.

Por ser um modelo inovador, a startup precisa de um parceiro contábil e jurídico que ajude a definir as melhores atividades da empresa (CNAEs), tributação (Simples, Presumido e Real), além de validar se realmente o modelo de negócio tem condições de escala, principalmente no inicio da operação.

Se tornar um empreendedor e escolher seu modelo de negócio entre startup e empresa tradicional requer bom planejamento. É preciso conhecer o que o mercado oferece e o que está precisando. Se estiver disposto, nós da Dimensão Contábil estamos prontos para te ajudar em todo o processo. Entre em contato hoje mesmo!

Deseja receber nossas postagens por e-mail? Cadastre-se abaixo!

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.